CONVITE - LANÇAMENTO DE LIVRO

Publicado em: 04/09/2019 11:33:07

Professora do DECED lançará livro sobre o processo migratório em Rolim de Moura/RO no dia 13/09/2019


Professora do DECED lançará livro sobre o processo migratório em Rolim de Moura/RO no dia 13/09/2019

              A professora e pesquisadora Cátia Franciele Sanfelice de Paula lançará no dia 13/09/2019, às 19:15hs, no auditório da biblioteca da UNIR, Campus de Ariquemes, o livro “Trabalhadores e a transformação das relações capitalistas em Rolim de Moura-RO (1970-2018)”. Originalmente escrita como tese de doutorado, defendida no Programa de pós graduação em História, da Universidade Federal de Uberlândia/UFU, em 2018, a obra apresenta um processo histórico conflituoso e a leitura sobre o processo migratório a partir das experiências de homens e mulheres como protagonistas da história. A obra também foi lançada durante o XXX Simpósio Nacional de História ocorrido em Recife-PE, em julho de 2019.

           O livro está disponível no site da editora Apriss, nesse link.

            Sinopse:

       “Esta obra é resultado de uma pesquisa sobre a história de trabalhadores que migraram para Rondônia, em específico, para a cidade de Rolim de Moura, nas décadas de 1970 e 1980. Partindo das memórias de homens e mulheres que se deslocaram de diversos lugares, principalmente do estado do Paraná, o livro traz à tona o processo de mudanças e transformação nas relações sociais capitalistas e suas rearticulações, num período histórico conflituoso que perpassa do contexto da ditadura militar ao golpe contemporâneo. Deslocando-se de uma abordagem estrutural, a autora traz como centro da investigação as relações sociais que estiveram presentes num momento histórico e político marcado pelo regime civil militar, pelo avanço das fronteiras e pela criação de diversos órgãos e projetos de intervenção, enquanto tentativa de controle social, por aqueles que assumiram as agências de execução dos projetos de “colonização” de Rondônia. Entre sonhos, projeções e expectativas que moveram os trabalhadores, destaca-se como os limites enfrentados por eles delinearam a constituição de formas coletivas de luta e inviabilizaram a permanência no campo. Enquanto um processo dinâmico e em movimento, as relações modificaram-se à medida que os trabalhadores sofriam e exerciam pressões. Na correlação de forças travadas com diversos agentes, destacam-se suas experiências e como expuseram, a partir de seus valores, a relação que tiveram nesse processo, a configuração política, e como o Estado interveio por meio de políticas públicas que favoreceram a formação de uma economia de mercado responsável por alterar e modificar modos de viver, de trabalhar e de lutar em Rolim de Moura.

        Segundo a autora, "o resultado do trabalho reflete um esforço com o tratamento conceitual, pensado como problema histórico e aberto à investigação no social, sempre em movimento, o constante diálogo entre as evidências e o aporte teórico e metodológico, para que os últimos sirvam como instrumento de reflexão sobre a prática do historiador. No diálogo com questões amplas que ocorriam no país, a preocupação com este estudo foi abordá-lo sem que as esferas política, econômica e cultural fossem entendidas de forma separada, evitando, assim, uma análise fragmentada, e que o social fosse visto como algo compartimentado”.


      A pesquisadora destaca que o intuito da obra foi possibilitar que os sujeitos, recorrentemente apresentados na historiografia sobre Rondônia como migrantes ou pioneiros, fossem revelados a partir dos questionamentos "Quem eram?" e "Quais experiências dispunham para compreender o processo migratório fomentado pelo Estado a partir da década de 1970".

      Cátia também destaca que “o mérito do trabalho esteve em investigar a distância entre o que foi planejado pelo governo ditatorial a partir das experiências de homens e mulheres que migraram, fugindo assim de uma história puramente estrutural, pautada em uma análise conceitual superficial e acrítica materializada em conceitos como 'colonização' e 'modernização', que não permitem a historiografia avançar,  para o campo das experiências vividas num período anterior à sistematização dos projetos de colonização elaborados pelo Incra”. Destaca ainda que "a obra abre ao público leitor diversas possibilidades de investigação e junto à elas está o desafio de levar adiante uma reflexão crítica, que, mais do que nunca, tem exigido coragem, compromisso e determinação”.

 *Haverá certificação aos participantes

    Convite.livro

 

Fonte: Departamento de Ciências da Educação